LINGUAGEM MÉDICA
 

BISTURI, ESCALPELO

        A palavra bisturi procede do francês bistouri, primitivamente bistori. Sua origem é incerta; todavia, admite-se que derive do latim Pistorium [1] ou Pistoria [2], antigo nome de Pistoia, cidade do norte da Itália, a mesma onde se encontra o cemitério dos soldados brasileiros mortos na segunda guerra mundial.

        Em Pistoia fabricavam-se excelentes facas e punhais, utilizados como armas e instrumentos de corte, que se tornaram conhecidos em latim por pistoriensis [3] e em italiano por pistorino e pistolese.

        A substantivação desses adjetivos explica as formas adaptadas ao francês de bistorie e pistolet. "As duas palavras são certamente idênticas, porém a causa da substituição de p por b, que deve ser buscada na influência de uma outra palavra, permanece obscura".[4]

        Ambroise Paré (1506-1590) foi o primeiro a empregar o bisturi como instrumento cirúrgico e em seus trabalhos encontram-se indiferentemente as duas formas: bistouri e pistolet. O instrumento foi aperfeiçoado para uso cirúrgico, prevalecendo o primeiro nome, que se difundiu a outros idiomas: inglês, bistoury; espanhol; bisturi; português, bisturi. Em italiano coexistem as formas bistori, bistorino e bisturi, com preferência para esta última.[5] Em português também já se empregou bistori, como se lê nos dicionários de Moraes [6], Vieira [7] e Aulete. [8]

        Escalpelo origina-se do latim scalpellum, diminutivo de scalprum, que pode significar qualquer instrumento cortante. Celsus empregou tanto scalpellum como scalprum com o sentido de bisturi.[9]

        Escalpelo é termo pouco empregado atualmente em linguagem médica e, assim mesmo, de uso restrito às dissecções anatômicas. De escalpelo deriva o verbo escalpelar, com o sentido de dissecar.

        No século XVI, quando viveu Ambroise Paré, a língua oficial erudita utilizada nas publicações médicas e científicas era o latim. Como Paré não soubesse latim, o que lhe valeu o menosprezo de seus contemporâneos, escreveu todos os seus trabalhos em francês. Talvez por esta razão tenha empregado bistouri, palavra mais antiga em francês, em lugar de scalpel, cuja introdução na língua francesa só ocorreu a partir de 1539.[4]
 
 

Referências bibliográficas

1. SARAIVA, F.R.S. - Dicionario latino-português, 9.ed. Rio de Janeiro, Liv. Garnier, 1993..
2. COROMINAS, J. - Breve diccionario etimológico de la lengua castellana, 3.ed., Madrid, Ed. Gredos, 1980.
3. SEGATORI, L. - Dizionario medico. Novara, Inst. Geográfico Agostino, 1954.
4. BLOCH, O.,VON WARTBURG, W. -Dictionnaire étymologique de la langue française, 7.ed. Paris, Presses Universitaires de France, 1986.
5. SPINELLI, V., CASASANTA, M. - Dizionario completo italiano-portughese (brasileiro). Milano, Ed. Ulrico Hoepli, 1985.
6. MORAES SILVA, A. - Dicionário da língua portuguesa. Lisboa, Typographia Lacerdina, 1813.
7. VIEIRA, D. - Grande dicionário português ou Tesouro da língua portuguesa. Porto, Ernesto Chardron e Bartholomeu H. de Moraes, 1871-1874.
8. AULETE, F.J.C. - Dicionário contemporâneo da língua portuguesa. Lisboa, 1881.
9. QUICHERAT, L.,DAVELUY, A.: Dictionnaire latin-français. Paris, Lib. Hachette, 1876.


Publicado no livro Linguagem Médica, 4a. ed., Goiânia, Ed. Kelps, 2011.  

Joffre M de Rezende
Prof. Emérito da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Goiás
e-mail: joffremr@ig.com.br
http://www.jmrezende.com.br