LINGUAGEM MÉDICA
 

VEIA CAVA


        A veia cava recebeu de Hipócrates, em grego clássico, a denominação de phléps koíle. [1] Na antigüidade phléps, phlebós, era usado para os vasos sanguíneos de um modo geral, tanto para as artérias como para as veias. Koíle é feminino de koílos, que pode ser adjetivo ou substantivo. Como adjetivo quer dizer vazio, esvaziado, oco. Como substantivo tem o sentido de cavidade, buraco, concavidade [2].

        Qual seria a razão de se conferir este atributo à veia cava?

        Skinner, citando Aetius de Amida, refere que ela foi assim chamada em virtude de apresentar-se vazia, sem sangue, após a morte.[3]

        Aristóteles (384-322 a.C.), em seus livros Historia dos animais e Partes dos animais referiu-se aos dois grandes vasos do tronco como aorté (aorta) e megále phléps (grande vaso sangüíneo) [4][5] e Galeno usou a mesma denominação dada por Hipócrates, com as variantes da declinação grega. [6]

        Há uma outra hipótese, mencionada por Skinner, de que teria havido erro de interpretação com relação à palavra koíle. Um dos cognatos de koílos é koilía, que significa cavidade abdominal e, por extensão, abdome. Bem poderia ser que Hipócrates e Galeno tivessem a intenção de referir-se à veia da cavidade abdominal ou veia do abdome e não à veia vazia.[3]

        Não me parece provável que tal fato houvesse ocorrido. Se a verdadeira intenção era a de relacionar a veia com a cavidade abdominal, por que não teriam usado o genitivo de koilía em lugar do adjetivo koíle ?

        Segundo Marcovecchio, a tradução de phléps koíle para vena cava, em latim, aparece pela primeira vez em Cícero, na seguinte frase: "in eam venam quae cava appellatur" (naquela veia que é chamada cava) [7]

        Cava, tanto em latim como nas línguas modernas, tem o mesmo significado de koíle, em grego, e pode, igualmente, ser substantivo ou adjetivo. Substantivo na acepção de cavidade, escavação, buraco, e adjetivo, como feminino de cavo, significando vazio, esvaziado, sem conteúdo.

        A denominação latina de vena cava firmou-se na terminologia médica e foi consagrada na Nomina Anatomica, desde a primeira edição, de 1895, conhecida por BNA
 

Referências bibliográficas

1. HIPPOCRATES - The Loeb Classical Library , vol. VIII, ed. bilingüe (greek-english).Ed. Paul Potter, 1995, p. 26
2. BAILLY, A. - Dictionnaire grec-français, 16. ed. Paris, Lib. Hachette, 1950.
3. SKINNER, H.A. - The origin of medical terms, 2.ed. Baltimore, Williams , Wilkins, 1961, p. 420.
4. ARISTÓTELES - Historia animalium I xvii. The Loeb Classsical Library, Cambridge, Harvard University Press, 1979, p. 70
5. ARISTÓTELES - Parts of animals III.v. The Loeb Classical Library, Cambridge, Harvard University Press, 1983, p. 248
6 GALENO, C. - On the natural faculties. The Loeb Classical Library (texto bilingüe), Cambridge, Harvard University Press, 1979.=, p. 90-91
7. MARCOVECCHIO, E. - Dizionario etimologico storico dei termini medici. Firenze, Ed. Festina Lente, 1993, p. 159-160.
 

Publicado no livro Linguagem Médica, 4a. ed., Goiânia, Ed. Kelps, 2011.  

Joffre M de Rezende
Prof. Emérito da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Goiás
e-mail: joffremr@ig.com.br
http://www.jmrezende.com.br