LINGUAGEM MÉDICA
 

CLAREAMENTO

        A evolução semântica de uma palavra em cada idioma independe de sua raiz etimológica.
        Clear, em inglês, e claro, em português, provêm, ambos, do adjetivo latino clarus. O verbo to clear, em inglês, correspondente a clarear, em português, tem, dentre suas múltiplas acepções, o sentido de eliminar, remover, limpar, livrar-se ou desembaraçar-se de alguma coisa. Esta acepção inexiste em português em relação ao verbo clarear, que, segundo o Aurélio, tem os seguintes significados: 1. Tornar claro, iluminar, aclarar. 2. Abrir espaços ou clareiras em; rarear. 3. Tornar inteligível; facilitar a compreensão de. 4. Tornar mais claro o tom de 5. Tornar (a voz) mais límpida, mais nítida. 6. Fazer-se dia. 7. Passar (o tempo, o dia) de nublado a claro. 8. Tornar-se (mais) claro; aclarar-se. 9. Tornar-se (a voz) mais límpida ou nítida. 10. Encher-se de clareira, ou de lacunas. 11. Tornar-se lúcido, penetrante, ou perspicaz; aclarar-se. 12. Tornar-se inteligível.[1]
        De clear, em inglês, derivam clearing e clearance; de claro,em português, clareamento.
        Em odontologia o termo clareamento é corretamente usado referindo-se aos diferentes processos e técnicas para clarear os dentes, torná-los mais alvos, mais brancos. Corresponde a bleaching, em inglês, e não a clearing.
        Clearing e clearance têm o sentido genérico de remoção, limpeza, eliminação, desembaraço. Em linguagem médica, clearance é usado para expressar a eliminação de determinada substância por unidade de volume e de tempo. Assim, clearance da uréia, da creatinina, do ferro etc. Com este sentido o termo clearance é também usado em outros idiomas, que o tomam de empréstimo ao inglês.
        Ultimamente, tanto clearing como clearance vêm sendo indevidamente traduzidos em português por clareamento.
        Exemplifiquemos com o refluxo gastroesofagiano. Em condições normais, quando ocorre o refluxo, as contrações peristálticas do esôfago removem o líquido refluído, fazendo-o retornar ao estômago. Esta limpeza do esôfago, que procura livrar-se do conteúdo ácido, denomina-se em inglês esophageal clearance (ou clearing), expressão que tem sido traduzida por clareamento do esôfago.
        Booth e col.[2] desenvolveram um teste para avaliar a eficiência do peristaltismo esofagiano na manutenção do pH intraesofagiano, conhecido em inglês por acid clearing test. Este teste é freqüentemente referido em português como teste de clareamento ácido ou simplesmente teste de clareamento.
        Em outras condições patológicas nas quais há eliminação progressiva de substâncias estranhas ao organismo, tais como antígenos virais ou bacterianos, toxinas, fármacos ou metabólitos, vem sendo igualmente utilizado o termo clareamento para expressar a eliminação de tais substâncias do meio interno.
        A tradução vernácula correta de clearance ou clearing é depuração. Antes da hegemonia da medicina norte-americana eram correntes as expressões depuração da uréia, depuração da creatinina, depuração do ácido hipúrico etc. Depurar tem o sentido de tornar puro, limpar.
        No caso, por exemplo, do tratamento da hepatite crônica em que se consegue a viragem sorológica com eliminação do vírus, devemos nos referir à depuração do antígeno e não ao clareamento do antígeno.
        Mesmo se não quisermos empregar o termo depuração em determinadas situações, não nos assiste o direito de traduzir clearing ou clearance por clareamento, um falso cognato que não encontra respaldo na lexicografia da língua portuguesa.
        No caso do refluxo gastroesofagiano, em lugar de clareamento do esôfago, teste de clareamento ácido, fator de clareamento, tempo de clareamento, seriam mais apropriadas expressões vernáculas como limpeza do esôfago, teste, fator ou tempo de remoção do conteúdo ácido do esôfago.
        A rigor, quando nos expressamos em português, só é possível clarear o esôfago pela iluminação, como ocorre durante a esofagoscopia.
        Somente o colonialismo científico em que vivemos justifica a adulteração semântica do vernáculo com pseudotraduções como esta de clareamento. Seria preferível usar-se, em destaque, a própria palavra inglesa. Apesar de tudo, é bem provável que tenhamos de incorporar ao vocabulário médico este novo termo, que vem enriquecer o nosso portuglês.
 

 

Referências bibliográficas

1. FERREIRA, A.B.H. - Novo dicionário da língua portuguesa, 3.ed. Rio de Janeiro, Ed. Nova Fronteira, 1999.
2. BOOTH, D.J., KEMPERER, W.T., SKINNER, D.B. - Arch. Surg. 96:731-734, 1968
 
 

Publicado no livro Linguagem Médica, 4a. ed., Goiânia, Ed. Kelps, 2011.  

Joffre M de Rezende
Prof. Emérito da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Goiás
e-mail: joffremr@ig.com.br
http://www.jmrezende.com.br