LINGUAGEM MÉDICA
 

DENSITOMETRIA, DENSIMETRIA, DENSIOMETRIA

        Trata-se de palavras híbridas, ou seja, formadas com elementos provenientes de mais de um idioma. Densito- e densi- provêm do latim densitas, atis, densidade + metria, do grego métron, medida + sufixo -ia.

        Em latim há também o adjetivo densus, a, um, e o verbo denso, are, que deram origem, em português, respectivamente, ao adjetivo denso e aos verbos adensar e condensar, com todos os seus cognatos.

        Densimetria é de uso mais antigo, dada a utilização dos densímetros na determinação do peso específico dos líquidos. Densitometria foi introduzido posteriormente para expressar a medida da densidade óptica por meio de um aparelho denominado densitômetro.[1] Do ponto de vista lingüustico, tanto densimetria como densitometria são vocábulos corretamente formados.

        Densiometria, ao contrário das anteriormente citadas, é palavra inexistente e desnecessária na língua portuguesa. Decorre de um equívoco, provavelmente fruto da analogia com tensiometria (medida da tensão). Não há, entretanto, qualquer similaridade na formação das duas palavras. Tensiometria deriva do latim tensio, onis, o que justifica a presença do ditongo io em português.

        Assim sendo, não é recomendável a inclusão do neologismo densiometria no vocabulário médico para designar o método utilizado na determinação da densidade dos tecidos. A expressão vernácula correta a ser usada será, de preferência, densitometria ou, alternativamente, densimetria; jamais densiometria.

Referência bibliográfica

1. MANUILA, A., MANUILA, L., NICOLE, M. , LAMBERT, H. Dictionnaire français de médecine et de biologie. Paris, Masson , Cie., 1970.


Publicado no livro Linguagem Médica, 3a. ed., Goiânia, AB Editora e Distribuidora de Livros Ltda, 2004..  

Joffre M de Rezende
Prof. Emérito da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Goiás
Membro da Sociedade Brasileira de História da Medicina
e-mail: joffremr@ig.com.br
http://www.jmrezende.com.br

10/9/2004.