LINGUAGEM MÉDICA
 

IPSOLATERAL, IPSILATERAL


        Ipsolateral (ou ipsilateral) é uma palavra híbrida, formada com o pronome demonstrativo latino ipse, a, um, e o adjetivo lateral, do latim lateralis, e. É sinônimo de homolateral e significa "que fica do mesmo lado", "que se manifesta do mesmo lado."
        Na declinação do pronome ipse, ipso corresponde ao ablativo do singular, nos gêneros masculino e neutro, enquanto ipsi corresponde ao dativo nos três gêneros do singular, e também ao nominativo plural.[1]
        Em locuções latinas em que se emprega o nominativo, a forma é ipse para o masculino singular (ipse dixit, ele mesmo disse), ipsa para o feminino singular (ipsa senectus morbus est, a própria velhice é uma doença; Cícero), ipsi para o masculino plural (ipsi se curare non possant, eles mesmos não podem cuidar-se; Cícero), ipsae, para o feminino plural (valvae se ipsae aperuerunt, as portas abrem-se por si mesmas, Cícero) .[2][3]
        Em latim, o dativo expressa o objeto indireto, enquanto o ablativo é empregado como adjunto adverbial.[4] Há várias expressões latinas em que o pronome ipse antecede o nome no singular (substantivo ou adjetivo), nas quais sempre se utiliza o ablativo ipso. Ex.: ipsofacto, ipso jure, eo ipso die, ipso minor etc. Não há exemplo de expressões análogas no singular com o dativo ipsi, cuja função sintática é de objeto indireto.
        No plural não haveria maior dificuldade, já que há uma forma única para o dativo e o ablativo, que é ipsis, comumente usado nas locuções ipsis verbis, ipsis literis (nos mesmos termos, com as mesmas letras).
        Por ser de origem latina, ipsolateral (ipsilateral) tornou-se um termo comum a várias línguas de cultura, além do português, como o espanhol, francês, italiano, inglês e alemão. As únicas alterações morfológicas verificadas, de adaptação a esses idiomas, consistem na acentuação da penúltima sílaba em francês (ipsolatéral ou ipsilatéral) e no acréscimo da vogal e em italiano (ipsolaterale ou ipsilaterale).
        Em face dos argumentos apresentados, não padece dúvida de que a forma correta deve ser ipsolateral e não ipsilateral.
        Contudo, uma pesquisa realizada por computador em textos médicos divulgados pela Internet nos últimos três anos revelou os seguintes dados relativos ao número de ocorrências de uma e outra forma.

Idioma Ipsolateral Ipsilateral
Português   5
     37
Espanhol
14
     89
Francês   0
     22
Italiano
  0
     16
Inglês
19
6.876
Alemão
  0
     54

        Diante dessa realidade de nada valem argumentos de ordem acadêmica. Acreditamos que se trata de um fato linguístico irreversível e que devemos aceitar ipsilateral como forma alternativa, apesar de incorreta.
        É interessante assinalar que a 3a. edição do Aurélio, de 1999, já registra ipsilateral, ao contrário da 2a. edição do mesmo dicionário, do Vocabulário da Academia Brasileira de Letras e do Michaelis, que só averbam ispsolateral.[5][6][7].
 

Referências bibliográficas

1. FARIA, E. Gramática superior da língua latina. Rio de Janeiro, Liv. Acadêmica, 1958
2. QUICHERAT, L. & DAVELUY, A.: Dictionnaire latin-français. Paris, Lib. Hachette, 1876.
3. SARAIVA, F.R.S. - Novíssimo Dicionário latino-português, 10. ed., Rio de Janeiro, Livraria Garnier, 1993.
4. ALMEIDA, N.M. - Gramática latina, 16.ed., São Paulo, Ed. Saraiva, 1980.
5. FERREIRA, A.B.H. - Novo dicionário da língua portuguesa, 3.ed. Rio de Janeiro, Ed. Nova Fronteira, 1999.
6. ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS: Vocabulário ortográfico da língua portuguesa, 3.ed. Rio de Janeiro, Imprensa Nacional, 1999.
7. MICHAELIS: Moderno dicionário da língua portuguesa. São Paulo, Cia. Melhoramentos, 1998. 

Publicado no livro Linguagem Médica, 3a. ed., Goiânia, AB Editora e Distribuidora de Livros Ltda, 2004..  

Joffre M de Rezende
Prof. Emérito da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Goiás
Membro da Sociedade Brasileira de História da Medicina
e-mail: joffremr@ig.com.br
http://www.jmrezende.com.br

10/9/2004.