LINGUAGEM MÉDICA
 

MASTÓIDE, MASTÓIDEO

        Mastóide designa a apófise situada na parte petrosa, ou rochedo, do osso temporal. Etimologicamente, mastóide procede do grego mastós, mama, e eîdos, semelhante a. Por conseguinte, mastóide quer dizer semelhante à mama, em forma de mama.

        Não vem ao caso, no momento, discutir a possível semelhança entre a apófise e a mama. As denominações dadas aos elementos anatômicos pelos primeiros anatomistas foram, em sua maioria, inspirados em comparações.

        Muitos elementos anatômicos receberam nomes sugerindo semelhanças morfológicas, tais como hióide (em forma de U), pterigóide (em forma de asa), aritenóide (semelhante a um funil), cricóide (em forma de anel), esfenóide (em forma de cunha), etmóide (semelhante a um crivo), escafóide (semelhante a um barco) etc.

        Tais palavras, inicialmente adjetivos, passaram, em muitos casos, a ser usadas como substantivos, levando à formação de novos adjetivos deles derivados. Assim, de mastóide, substantivo, formou-se novo adjetivo, cuja grafia e pronúncia tem sido objeto de divergência entre os autores.

        Três formas têm sido usadas para o novo adjetivo: mastóideo, mastoídeo e mastoideu. Conforme ressalta o Prof. Idel Becker, a pior das três, que deve ser de pronto rejeitada, é mastoídeo, fruto de um equívoco etimológico, pois, neste caso, não se trata do sufixo -ídeo.[1]

        A Nomina Anatomica, que procura dar uniformidade à terminologia anatômica, registra, em latim, mastoideus e mastoidea, que se pode traduzir por mastóideo e mastóidea, ou mastoideu, mastoidéia.

        O Vocabulário Ortográfico da Academia Brasileira de Letras registra as três formas, com destaque para mastóideo e mastoideu.[2] O dicionário Houaiss averba mastóideo e mastoídeo, com preferência a primeira forma,[3] enquanto o Aurélio século XXI e o Michaelis consignam somente mastóideo.[4][5]

        A Sociedade Brasileira de Anatomia, em sua tradução para o português, da última revisão da nomenclatura em latim, optou por mastóideo, mastóidea.[6]

        No caso de esfenóide e etmóide, os adjetivos adotados em latim são sphenoidale e ethmoidale, que correspondem, em português, à esfenoidal e etmoidal.
 

Referências bibliográficas

1. BECKER, Idel - Nomenclatura biomédica no idioma português do Brasil. São Paulo, Liv. Nobel, 1968, p. 183-184
2. ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS - Vocabulário ortográfico da língua portuguesa, 3. ed. Rio de Janeiro, Imprensa Nacional, 1999.
3. HOUAISS, Antônio, VILLAR, Mauro de Salles – Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro, Objetiva, 2001.
4. FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda - Novo dicionário da língua portuguesa, 3.ed. Rio de Janeiro, Ed. Nova Fronteira, 1999.
5. MICHAELIS - Moderno dicionário da língua portuguesa. São Paulo, Cia. Melhoramentos, 1998.
6. SOCIEDADE BRASILEIRA DE ANATOMIA. Terminologia anatômica. São Paulo, Ed. Manole Ltda., 2001.

  Publicado no livro Linguagem Médica, 3a. ed., Goiânia, AB Editora e Distribuidora de Livros Ltda, 2004..  

Joffre M de Rezende
Prof. Emérito da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Goiás
Membro da Sociedade Brasileira de História da Medicina
e-mail: joffremr@ig.com.br
http://www.jmrezende.com.br

10/9/2004.