MEU MESTRE


foto lembranca       Ainda com a enorme e sangrante ferida que abriste em nossos peitos, recebi a dolorosa, porém honrosa tarefa de dizer-te as últimas palavras em nome da Faculdade de Medicina. O sangramento tira o entusiasmo das palavras, mas não a força do sentimento. Não viemos lamentar tua partida, estamos aqui para agradecer-te. Esta bandeira que te cobre, envolve-te nos braços de toda a comunidade da Faculdade deMedicina (UFGO), para dizer-te, obrigado professor. Estou certo de que tua casa, a Faculdade e a Universidade Federal de Goiás, os meios universitário e científico, o Estado de Goiás e a nossa sociedade sabem da real dimensão da tua ausência. Aqui estão para reverenciar-te e dizer-te um breve adeus, teus colegas e professores que foram teus alunos ou se consideram como tal. É realmente um breve adeus, pois o que é a vida diante da eternidade?

      Eu tentei encontrar as palavras mais dignas de ti, as mais carinhosas e que representassem o sentimento de todos que aqui te cercam, mas a emoção impediu-me. Todos aqui derramam uma lágrima por ti, todos te agradecem pela grandeza de alma e gestos, pelas lições de humanidade e humanitarismo. Pelos doentes que curastes, pelas gerações que tornastes médicos e pesquisadores, pela ética que foi tua bandeira, pelo progresso que destes à ciência, pela humildade com que recebestes as mais altas homenagens e condecorações de nosso país. Não te perdemos, meu mestre e companheiro, ao contrário, ganhamos e herdamos a sabedoria que nos ensinastes. Tua memória será o norte para a Faculdade de Medicina e para toda a classe médica.

Durante cinquenta anos, formamos uma pequena família, que juntos vivemos os momentos festivos ou tristes, repartimos a pesquisa e os mistérios de nossa profissão. Aqui estamos o Anis Rassi, o Luiz Rassi, teu compadre Hélio Moreira e eu; testemunhamos o teu imenso amor e dor durante a doença de tua Alzira e suportastes com imensa dignidade sua perda; vimos como formates tua família, teus queridos filhos Joffre, Angela, Pedro e Paulo desde crianças e que serão guardiães de tua memória. Hoje tens uma família muito maior, ela se constitui de toda essa multidão aqui presente, que ora homenageia tua ida e de diferentes formas sentem-se órfãos de ti.

É bom saber que tuas dores se foram, que teu sofrimento desapareceu. Não é assim que nós médicos comemoramos, bem sabes, mas compreendemos o ciclo biológico e a vontade de Deus. Que o senhor te glorifique. Adeus meu querido.

Heitor Rosa
27/01/2015
 


Homenagem prestada durante o funeral
Publicada em www.jmrezende.com.br/memoriam.html, em 04/02/2015
(prezende at unb.br)