LINGUAGEM MÉDICA
 

TERAPIA, TERAPÊUTICA, TRATAMENTO


Terapia  provém do grego  therapeía, derivado do verbo therapeuo, cuidar, servir. O termo foi usado em medicina por Hipócrates e Galeno, que se referiram a terapia médica e cirúrgica, para designar os cuidados aos enfermos visando a obter a cura das doenças.[1,2] Do grego a palavra passou para o latim e deste para as línguas modernas, com o sentido abrangente de qualquer meio ou procedimento usado no tratamento dos enfermos, dando origem a compostos como farmacoterapia, fisioterapia, hidrotrapia, radioterapia, psicoterapia etc.

Terapêutica é uma tradução do grego therapeutiké, que não é o mesmo que therapeía, e sim a arte, a ciência de escolher as terapias adequadas às diversas doenças. É uma parte da medicina, como a anamnese, o diagnóstico e o prognóstico.

Há em grego outros exemplos semelhantes, como em maieusis, parto, e maieutiké, a ciência, a arte de fazer partos; ermeneusis,  interpretação, e ermeneutiké, a ciência, a técnica de interpretação de textos.[3]

Tratamento deriva de tratar, do verbo latino tracto, tractare, o qual se caracteriza por sua extensa polissemia.[4] O termo, segundo Houaiss, já existia em português desde o século XIII, porém não há menção ao seu emprego como termo médico a não ser tardiamente.

Em francês (traitement), foi incorporado ao vocabulário médico a partir de1636 [6] e em inglês (treatment) a partir de 1744.[6] Em português encontra-se o seu registro na 3a. edição do dicionário de Constâncio, de 1845.[7] Segundo Pedro Pinto foi importado do francês, sendo por isso, de início, considerado galicismo.[8]

Define-se tratamento como o conjunto de meios (terapias) empregados visando  a debelar uma doença ou proporcionar ao doente cuidados paliativos. Na linguagem médica corrente usa-se tratamento como sinônimo tanto de terapia como de terapêutica. Desta duplicidade semântica resultou a equivocada sinonímia entre terapia e terapêutica que encontramos em alguns léxicos.

Houaiss averba a palavra terapêutica com remissão para terapia, omitindo a acepção de arte e ciência no tratamento das doenças. Todavia, registra a diferença etimológica existente entre ambas.[9]

Já no dicionário Aurélio encontra-se uma definição exata de terapêutica: “Parte da medicina que estuda e põe em prática os meios adequados para aliviar ou curar os doentes”. [10] Assim também no Dicionário de termos técnicos de medicina e saúde, de Luis Rey: "Ramo da medicina que se ocupa do tratamento das doenças". [11] Todavia, ambos registram, como segunda acepção, a sinonímia com terapia.

 
 

Referências bibliográficas

 

       
1. LIDDELL, Henry G. , SCOTT, Robert - A greek-english lexicon, 9.ed., Oxford, Claredon Press, 1983.
2.
DURLING, Richard J. – A dictionary of medical terms in Galen. Leiden, E.J.Brill, 1993.
3. PEREIRA, Isidro – Dicionário grego-português e português-grego, 7.ed. Braga, Liv. Apostolado da Imprensa, 1990.
4. SARAIVA, F.R. dos Santos - Dicionario latino-português, 10.ed. Rio de Janeiro, Liv.
Garnier, 1993.
5. ROBERT, P. - Dictionnaire alphabétique et analogique de la langue française. Paris, Dictionnaires Le Robert, 1987.
6. OXFORD ENGLISH DICTIONARY (Shorter), 3.ed. Oxford, Claredon Press, 1978
7. CONSTANCIO, Francisco Solano - Novo dicionário crítico e etimológico da língua portuguesa, 3.ed. Paris, Angelo Francisco Carneiro, 1845.
8. PINTO, Pedro A. - Dicionário de termos médicos, 8. ed. Rio de Janeiro, Ed. Científica, 1962.
9. HOUAISS, Antônio, VILLAR, Mauro de Salles – Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro, Objetiva, 2001.
10. FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo dicionário Aurélio da l´´ingua portuguesa, 3.ed. Curitiba, Ed. Positivo, 2004.
11, REY, Luís. Dicionário de termos técnicos de medicina e saúde. Rio de Janeiro.  Guanabara Koogan S.A., 1999.

 

 
Joffre M de Rezende
Prof. Emérito da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Goiás
Membro da Sociedade Brasileira de História da Medicina
e-mail: joffremr@ig.com.br
http://www.jmrezende.com.br


7/2/2010